O grito do Silêncio

tumblr_m9azdrYtsE1qec99xo1_500Actualmente tudo se sabe, sendo que quando digo “tudo” refiro-me mesmo à definição concreta desta palavra. Hoje não basta saber o que é que o filho da vizinha Alice foi fazer para o estrangeiro ou com quem é que a filha do “Ti” Zé namora, se com alguém de boas famílias ou com algum gabiru de outras bandas que a desviou para maus caminhos. Hoje é difícil termos o prazer de contar uma novidade em primeira mão a alguém, pessoalmente. Os meios de comunicação evoluíram de tal forma que, para além de toda a informação que recebemos dos mesmos, podemos transmitir cada passo que damos através de um processo simples e rápido. Na verdade, até é possível sermos localizados sem quase darmos por isso.

É, é fantástico… Estamos todos muito mais perto uns dos outros. Vivemos todos numa aldeia global onde basta aceder à pagina oficial do nosso amigo e lá acabámos nós de invadir o serão dele com piadas idiotas, típicas da nossa relação de amizade, criando ali um serão engraçadíssimo sem sair do conforto do nosso doce lar. Já para não falar que basta mencionarmos alguém e, quase por magia, lá aparece mais um caramelo para toda aquela paródia.

Isto torna-se ainda mais hilariante quando centenas e centenas de pessoas invadem o mesmo espaço, sem mais nem menos! Ah, espera… Deixei-o entrar uma vez e este chato nunca mais desapareceu! O “nosso” momento especial passou a ser um momento com alguma piada que, por esta mesma razão, ainda é partilhado pelos espectadores que não deixam passar a oportunidade de “levar um pouco das sobras que ainda dão para a semana”!

Uma vez deixada, a realidade virtual dá lugar a uma realidade muito diferente. Realidade essa onde não conhecemos minimamente os nossos vizinhos (a não ser os seus gostos musicais, por vezes bastante entusiastas, ou os seus clubes), pouco sabemos do que os nossos colegas fazem fora daquele ambiente de trabalho ou escolar/académico, já para não falar da forma como estes encaram os seus sentimentos. Não sabemos nada nem fazemos por saber porque… fácil! Basta ir à pagina dessa pessoa e procurar isso mesmo. Sentimentos? Está optimo, mandou um smile super querido. Ficou magoado? Claro que não, usou um “lol” ! E, para além disso, quando estiver mal, vai colocar aqui uma frase lamechas ou uma imagem cheia de clichés, o que vai ser óbvio!

A aldeia global está assim firme, unida, estável! Estamos aqui, lá, aqui, ali, em todo o lado, com quem queremos, como queremos.

É muito giro.

Sonhos cor-de-rosa e um beijinho doce *

Não, não acaba por ali. Seria fácil demais e quando tal coisa acontecer, quando algo na vida parecer fácil faz o que fizeste agora… espera um pouco.

Pensando na pior coisa que nos aconteceu… alguma das vantagens da “Aldeia Global” serviu para alguma coisa? Nada!

Nada substitui um beijo no momento certo, um abraço capaz de libertar todas as lágrimas acumuladas até ali, as palavras calorosas ditas da forma certa, a sensação de calor humano proveniente de alguém que nos é algo.

A pior solidão é aquela que não se vê. É quando alguém está só ao mesmo tempo que está rodeado de gente. Quando apetece estar com alguém e ninguém lhe serve. Quando lhe apetece dizer tanta coisa e não consegue dizer nada. Quando dói e não há ferida.

O grito é tão intenso, mas tão intenso que ninguém percebe. Tão, mas tão raro e desesperante que os mais cépticos custam a acreditar que exista na verdade.

O grito atinge um nível tão alto mas tão alto que o único sinal de alarme que identifica o sofrimento que o mesmo carrega é o Silêncio puro.

Tudo é feito para chamar a atenção, como se de um “Ajudem-me” se tratasse. Mas as palavras falham, a dor agrava, as pessoas desaparecem… ao ponto de se achar que a única solução é continuar a gritar, silenciosamente, até alguém ouvir.

… … … … … … … ? … … … … … … …

“O pior cego é aquele que não quer ver”